(48) 99997-9868 carcasa@carcasa.com.br

Treinamentos corporativos podem evitar conflito de gerações

jul 12, 2021 | Blog, Educação, elearning

Existe uma tendência para que toda pessoa defenda a sua geração, dizendo ser a mais inteligente, a mais forte, a mais preparada, e por aí vai. Por conta dessa crença, é natural que o conflito de gerações ocorra, não apenas dentro das famílias, mas também em sociedade, o que inclui o mercado de trabalho.

Os treinamentos corporativos são importantes programas de gestão de conhecimento e também de integração entre os colaboradores de uma organização. Por isso, sempre que esses programas são construídos com planejamento e conteúdos enriquecedores, eles potencializam os talentos e tornam a relação entre profissionais de diferentes idades mais pacífica.

Gerações atuais no mercado de trabalho

O mercado de trabalho atual é composto por indivíduos de quatro diferentes gerações. Cada uma delas apresenta as suas características, forças e pontos a serem desenvolvidos. Saiba mais sobre cada uma delas.

Baby Boomers

Essa geração nasceu entre 1946 e 1964. Tendem a ser conservadores e é comum que estejam nos cargos de chefia. Priorizam a estabilidade, o casamento, os valores tradicionais e podem passar décadas em uma mesma empresa. Para alguns, inovação e tecnologia são as suas dificuldades.

Geração X

É composta por pessoas que nasceram entre 1965 e 1980, sendo filhos dos baby boomers. Por terem pais mais rígidos, os membros dessa faixa são idealistas e anseiam por liberdade. É um grupo de transição entre o antigo e o moderno. Admiram o sucesso e a perseverança dos baby boomers, valorizando os estudos, mas são menos conservadores e mais abertos à inovação e ao empreendedorismo.

Geração Y

A geração Y compreende os nascidos entre 1981 e 1996, também conhecidos como “millennials”. É uma geração que já nasceu em meio à internet e à tecnologia, de modo que a inovação faz parte das suas rotinas. Não aceitam qualquer tipo de emprego e procuram empresas que lhes ofereçam liberdade de ação. São engajados em causas sociais e muito criativos, mas trabalho duro e rotina constante não são atrativos a essas pessoas. São competitivos e aprendem rápido.

Geração Z

Por fim, a geração Z é a recém-chegada às empresas, compreendendo quem nasceu entre 1997 e 2010. As pesquisas mais recentes indicam que esses indivíduos são heavy users da tecnologia e que desejam deixar um impacto positivo no mundo. As redes sociais, a cultura pop e a busca por uma identidade que ainda está se desenvolvendo são os seus principais interesses.

Os treinamentos corporativos na redução de conflitos

Com traços tão diferentes no jeito de ser e de trabalhar, é natural que o conflito de gerações ocorra em toda e qualquer empresa, independentemente de seu porte ou segmento. O treinamento corporativo aparece como um instrumento para amenizar esse conflito, pois coloca, lado a lado, indivíduos dessas gerações, estudando e lapidando as suas competências.

Essas competências não dizem respeito apenas aos saberes técnicos de cada profissão, mas também às chamadas soft skills, ou habilidades comportamentais, como: criatividade, inovação, paciência, clareza de comunicação, organização, disciplina e planejamento estratégico.

Cada geração se destaca em algum desses pontos, e é importante que as pessoas estejam abertas a aprender umas com as outras. Os boomers sabem o que é disciplina, a geração X é referência em abrir-se ao novo, os millennials são ágeis e socialmente engajados, enquanto a geração Z é comunicativa e tecnológica. Um bom treinamento permite que cada grupo mostre as suas forças e aprenda com as forças dos demais.

Fonte: micropowerglobal-com

12 soft skills para se desenvolver

Entender quais são as soft skills mais importantes para as empresas é essencial para que os colaboradores possam desenvolver suas habilidades e competências de forma satisfatória, tendo em vista que esse conceito está relacionando ao conjunto de características e comportamentos fundamentais para que um indivíduo atinja suas metas profissionais.

Elas estão diretamente ligadas ao ramo de atuação e à função que o trabalhador pretende ocupar no mercado. Além disso, as soft skills se diferem das hard skills, que são as habilidades técnicas, adquiridas por meio de treinamentos, cursos e demais meios de aprendizagem.

Você sabe quais são as soft skills mais desejadas pelas organizações? Leia este artigo e descubra!

Qual é a importância das soft skills no ambiente empresarial?

Mesmo que o funcionário exerça atividades técnicas, as habilidades e competências são os grandes diferenciais para o desenvolvimento de sua carreira. Sendo assim, adquirir as soft skills desejadas pela empresa possibilita um melhor comportamento e controle das emoções. Assim, a pessoa poderá tirar o máximo das práticas que ela domina.

Quais são as soft skills mais importantes para o mercado?

Existem algumas soft skills que são muito importantes para o mercado e, por esse motivo, precisam ser desenvolvidas pela equipe. Veja quais são elas!

1. Boa comunicação

Uma comunicação eficaz faz toda a diferença no ambiente laboral, já que em cada diálogo é preciso entender como colocar as opiniões, sugestões e dúvidas, de forma que o colaborador consiga transmitir o que realmente quer dizer. Isso vai garantir que todas as partes envolvidas compreendam o que é esperado e possam realizá-lo da forma como foi planejado.

2. Trabalho em equipe

É fundamental que os profissionais saibam atuar em equipe. Isso porque é normal que no dia a dia tenham que trabalhar com pessoas ao redor. Além disso, em algumas funções, é necessário negociar com parceiros, respeitar a diversidade da equipe etc.

3. Resiliência

Essa qualidade está ligada à capacidade de se adaptar e continuar se desenvolvendo mesmo com alterações nos cenários ou experiências complicadas, mas que trouxeram tantos problemas quanto aprendizados.

4. Proatividade

Representa a capacidade de não medir esforços para desempenhar as atividades, observar contextos e identificar as melhores soluções para os desafios que impedem o alcance dos resultados ou que interferem na produtividade.

5. Ética no trabalho

A ética é requisitada em todos os níveis hierárquicos, sendo uma das qualidades mais buscadas pelos recrutadores devido à sua influência na otimização dos processos e no aumento da produtividade do time. Está relacionada ao cumprimento das normas da empresa e a um senso comum de moralidade e respeito no ambiente corporativo.

6. Pensamento crítico

Os colaboradores precisam avaliar com agilidade as situações e tomar as melhores decisões, independentemente da área de atuação, evitando que problemas maiores surjam durante as operações.

7. Criatividade

Essa criatividade tem a ver com a capacidade de pensar fora da caixa, de inovar e apresentar soluções diferentes, fora do padrão, para problemas que acontecem com frequência.

8. Empatia

É uma competência que interfere no resultado da comunicação. Afinal, por meio dela, o time pode ser motivado com a identificação e a reciprocidade nos relacionamentos. Para isso, é preciso se colocar no lugar do próximo e ter um trato respeitoso. Demonstrar essa habilidade em um ambiente de pressão pode ser bastante favorável para o funcionamento da empresa, além de um grande diferencial competitivo.

9. Liderança

É importante ter a capacidade de inspirar os membros da equipe e engajar todos na entrega dos resultados, buscando sempre servir de exemplo e delegar as funções sem promover nenhum tipo de constrangimento.

10. Positividade

É preciso encarar os desafios como uma oportunidade de crescimento. Pessoas que pensam dessa forma conseguem encontrar soluções para os problemas mesmo nos casos mais complicados. Profissionais positivos conseguem manter os outros integrantes motivados, mesmo quando um resultado não pode ser alcançado no curto prazo.

11. Atenção para ouvir

O funcionário que sabe ouvir pode ser usado como um aliviador de desgastes. Isso porque os problemas de comunicação se iniciam, em alguns casos, por não ouvir de forma correta as informações que são repassadas.

12. Gerenciamento do tempo

Quando o tempo é bem gerenciado, fica mais fácil trabalhar com qualidade e eficiência, o que vai gerar valor tanto para o profissional quanto para a empresa. Essa qualidade é importante em todos os níveis de atuação. Por exemplo, no caso de um gestor, ele consegue estabelecer o tempo em que cada projeto deve ser finalizado. No caso de cargos menores, o funcionário entenderá como administrar suas tarefas.

Como é possível ajudar a equipe a desenvolver tais habilidades e como identificá-las?

É preciso mostrar aos colaboradores quando eles precisam aprimorar certas competências para aproveitar as oportunidades e crescer na carreira. Nesse caso, é importante avaliar as características de cada um, além das melhorias que cada colaborador busca por meio da reflexão de seus próprios atos.

É possível orientar os empregados quanto às formas de estimular o autoconhecimento. Assim, o profissional vai conseguir reconhecer o seu potencial e desenvolvê-lo. Promova ocasiões em que eles possam trabalhar melhor em equipe, com pessoas que tenham ideias e pontos de vista diversificados.

Também é possível realizar simulações dos mais variados cenários para os quais os funcionários precisam se aprimorar, além de oferecer treinamentos capazes de desenvolver essas habilidades, que podem ser feitos por meio de gamificações, áudios, vídeos e estratégias de microlearning —ferramenta bastante eficiente nesse processo, com uma finalidade mais educativa.

Ainda, é essencial oferecer e receber feedbacks, capazes de apresentar pontos fortes e a melhorar, bem como apontar as evoluções e as habilidades que ainda precisam ser desenvolvidas, com o intuito de alcançar as expectativas.

Agora que você entende quais são as soft skills mais importantes para as empresas e como identificá-las e desenvolvê-las nos colaboradores, é necessário ficar atento a todas as informações repassadas e, dessa forma, criar um time adaptativo às mais variadas situações, produtivo e motivado a atingir os objetivos e metas da carreira e da organização.

EnglishPortuguêsEspañol
Open chat