15 min de leituraComo histórias engajam o público nos cursos online

jul 12, 2021 | Blog, Educação, elearning

Contar uma boa história pode transformar seu e-learning em uma experiência memorável para o aluno e se traduzir em altas taxas de retenção de conhecimento e transferência de aprendizagem. Por isso, neste artigo, vou compartilhar com você tudo o que eu sei sobre Storytelling em cursos online.

Sabe quando você está zapeando os canais da TV e, de repente, está envolvido com uma trama e precisa saber o que vai acontecer depois? É a esse estado de flow que queremos levar nossos alunos, não é mesmo?

Há alguns anos era a conhecida narrativa, hoje é storytelling e tudo bem, porque a questão ficou mais profunda mesmo. Antes era contar uma história, ter um personagem… hoje há enredo, herói, vilão, drama, redenção…

E é muito mais legal! Muito mais engajador! Hoje vamos falar de storytelling para seu e-learning.

Então vamos ver como é possível fazer essa “magia” acontecer!

O que é storytelling

Segundo Martha Terenzzo, autora do livro O guia Completo do Storytelling, “storytelling é a arte interativa de usar palavras e ações para revelar os elementos e as imagens de uma história, ao mesmo tempo em que incentiva a imaginação do ouvinte”.

Eu diria que o story está ali nas palavras e ações, e o telling no incentivo à imaginação.

Dá pra fazer story sem telling?

Dar, dá… mas é tipo pão de queijo com aquele queijo ralado de pacotinho, sabe? É pão de queijo? Até é… mas se usar um bom parmesão ralado na hora fica bem melhor, né não? #ReferenciaDeGordinho

Princípios para um bom storytelling

1.      Fazer parte da solução

Provavelmente você está trabalhando em um projeto de e-learning porque a organização enxerga que há um problema (gap de conhecimento) a ser resolvido, sim? Então transforme esse problema em uma investigação e proponha ao aluno que ele encontre uma solução com base nas evidências que ele encontra ao longo do curso.

2.      Fuja do óbvio

Pense em um filme que você gosta muito… ele não apresentou logo na primeira cena qual seria o conflito a ser resolvido, não é? Não estrague a surpresa.

Construa os personagens (mostre suas características, seu caráter, suas opiniões), o cenário (mostre as condições do lugar) e só depois, quando o aluno tem clareza de quem é quem, sugira o conflito que será tratado, proponha reflexões para que o aluno decida de que lado está (do vilão ou do mocinho?).

3.      Fique de olho nos detalhes

Ao longo do curso, traga elementos que coloquem o aluno na tela do curso – seja mostrando uma escultura que existe no prédio da empresa, um quadro da sala de reuniões, peça que ele encontre evidências no cenário.

Por outro lado, esses detalhes devem ser relevantes. Cuidado para não poluir as telas com informações desnecessárias.

4.      Convença!

Ainda que sua história tenha um pouco de fantasia (como voltar no tempo ou ir ao futuro), seus personagens devem ser reais de tal modo que o aluno se identifique e se sinta representado e emocionalmente conectado à história.

5.      Final feliz

Na vida real nem toda história tem final feliz… com seu storytelling não deve ser diferente. É importante que o aluno saiba que pode haver consequência negativa sobre as ações e que há obstáculos que devem ser superados – o tempo todo!

6.      Isso ainda é um curso!

Cuidado para não se envolver com a história e esquecer que se trata de um curso que tem objetivos de aprendizagem claramente definidos.

Um bom storytelling tem que ter:

Personagens

Como eles são? O que pensam? O que sentem? Qual seu passado? Mostre tudo que seja relevante para construir a imagem alinhada ao conteúdo que será apresentado.

Cenário

Onde a história se passa? Como é esse lugar? O que está no entorno? Por que está assim e como era no passado?

Fator motivador

Qual a situação central da história? O que impulsiona as ações dos personagens?

Complicador

Qual a situação dramática que os personagens vivenciarão? Qual o desafio a ser superado?

Ponto de tensão

Como a situação anterior impacta nas decisões dos personagens? Quais conflitos são gerados a partir daí?

Conclusão

Qual a solução encontrada? Quais as perdas e ganhos para os personagens? O final foi feliz?

Reflexão

Algo como a moral da história… quais aprendizados ficaram?

Dica Bônus: Busque Inspiração

Ler alguns roteiros pode te inspirar a desenhar interações mais interessantes e complexas.

Nesse site você encontra dezenas de roteiros de filmes, novelas e peças publicitárias.

Você pode começar usando um filme que goste como referência para construir uma história; certa vez eu usei referências do “De volta para o futuro” para elaborar um curso sobre Segurança da Informação.

 

Fonte: soanivargas.com.br

Os princípios básicos da narrativa de eLearning

Todo treinador sabe que envolver os alunos pode ser uma verdadeira luta. Distrações e fadiga do aluno são apenas duas barreiras que os instrutores precisam resolver imediatamente para tornar o aprendizado estável e proporcionar uma experiência cativante. É aqui que a narração de histórias em vídeo eLearning entra para salvar o dia.

Ultimamente, os profissionais de e-Learning se voltaram para uma arte milenar: a arte de contar histórias.

As histórias são conhecidas por nos ajudar a processar e lembrar informações . Eles criam uma conexão emocional com o material de aprendizagem e funcionam como pedaços de informação estrategicamente envolvidos na história.

Os alunos gostam de histórias – todos nós gostamos. E eles querem estimulação visual. Então, como os treinadores podem incorporar ingredientes narrativos avançados em seus vídeos de eLearning para criar experiências de aprendizagem memoráveis?

Para descobrir, falamos com especialistas em narrativa visual em Vyond , que ajudam as pessoas a construir histórias baseadas em personagens. Trabalhando todos os dias com os criadores do curso e testemunhando o que os torna bem-sucedidos, a Diretora de sucesso do cliente de Vyond, Erin Champion , compartilhou conosco sua sabedoria arduamente trabalhada.

Aqui está nosso Q&A:

Os princípios básicos da narrativa de eLearning

Primeiro, precisamos começar com o básico, e a primeira coisa que os instrutores precisam fazer é delinear sua história. É para todos? De acordo com Erin, é apenas uma questão de organização.

Como alguém pode criar um enredo de curso que seja fácil de seguir?

Conheça seus objetivos primeiro. Pergunte a si mesmo: o que você quer que o aluno tire do vídeo? Agora crie uma história em torno desses objetivos.

Muitas vezes, vejo pessoas tentando engolir mais do que podem mastigar em apenas um vídeo de eLearning. Então, divida vídeos longos com vários objetivos em uma série e adicione apenas um objetivo a cada gravação.

Isso ajuda de algumas maneiras:

  1. Ajuda os alunos a se concentrarem em um objetivo específico.
  2. É mais fácil para eles reproduzirem ou voltarem a um vídeo de treinamento específico mais tarde, em vez de pesquisar um carimbo de data / hora em um longo para encontrar as informações de que precisam.

A estrutura da própria história pode ser tão simples como:

  • Um começo (definindo a cena e apresentando o problema)
  • Meio (o desafio ou “coisa” que o protagonista tem que enfrentar)
  • Fim (a nova realidade pós-desafio).

Cada vídeo não precisa necessariamente apresentar um começo, meio e fim completos.

Você pode projetar uma unidade para apresentar o problema, mais algumas no meio para ilustrar os desafios e uma última no final para mostrar como o protagonista mudou.

Dica do especialista: como criar cursos envolventes de narrativa em vídeo de eLearning

Contar histórias é uma arte e a equipe de Vyond a domina.

Existe um truque simples usado por “arquitetos” contadores de histórias e já existe há bastante tempo: o gancho narrativo.

Mas pode um criador de curso de vídeo eLearning usá-lo para chamar a atenção de seus alunos?

De acordo com Erin, sim:

Ao escrever, um gancho narrativo leva o aluno a fazer uma pergunta sobre o que acabou de ler .

Isso é exatamente o que acontece na produção de vídeo eLearning, mas em vez de escrever uma frase, você deve usar recursos visuais e de áudio para despertar a curiosidade dos alunos.

Aqui estão algumas técnicas que você pode usar:

  • Close-ups extremos: Focar nos olhos, boca ou objeto específico de um personagem pode ajudar o público a sentir emoções ou construir uma sensação de mistério. Ao não mostrar a cena inteira no início, você pode fazer o aluno se perguntar sobre o que pode ser revelado a seguir.
  • Efeitos sonoros: os efeitos sonoros ajudam a completar um vídeo e dão uma sensação de integridade e interatividade . Adicionar um efeito de som crash ou bang é suficiente para chamar a atenção, enquanto um ruído ambiente fino pode despertar o interesse de alguém e dar uma pista sobre o cenário ou época.
  • Preto e branco: vídeos em preto e branco podem ser bastante úteis quando você se refere a algo que aconteceu no passado.

Como você cria personagens com os quais os alunos podem se relacionar?

Entenda seus alunos primeiro. Quais são as suas motivações, dentro e fora do trabalho? Já vi designers de vídeo de eLearning criarem conteúdo que imita programas e filmes populares de TV. Na verdade, a familiaridade com o assunto, bem como a nostalgia, podem ajudar a capturar a atenção do aluno.

Por outro lado, eu vi conteúdo criado com Vyond, onde designers de aprendizagem constroem personagens que parecem extremamente com pessoas reais que trabalham na empresa . Isso ajuda os alunos a saberem que o conteúdo foi feito especificamente para eles.

Muitas vezes, as empresas com as quais trabalho pegam um único vídeo e o copiam para localizar e ajustar o conteúdo de acordo com diferentes mercados ou regiões. Eles mudarão os personagens e as configurações de cena para tornar o vídeo específico para aquele público. Quando alguém se vê em um vídeo, não há dúvida de que será capaz de se envolver melhor com o conteúdo .

Começar a trabalhar: narração de histórias em vídeo eLearning em ação

Agora você sabe como começar com os cursos de narrativa em vídeo de eLearning. Mas como você realmente faz isso? Bem, como em Hollywood, tudo começa com um roteiro.

Como alguém pode começar a escrever um roteiro para seu curso online?

Ao trabalhar com vídeo, é importante lembrar que elementos visuais devem ser incluídos no roteiro.

Existem muitos modelos gratuitos que você pode encontrar online, mas o formato é relativamente padrão: uma tabela com duas colunas – imagens à esquerda, áudio à direita.

Eu pessoalmente gosto de manter um storyboard / script híbrido com uma imagem da cena e notas sobre como a câmera está se movendo (ou onde está focada) à esquerda e o diálogo, narração e efeitos sonoros à direita.

A chave é não duplicar o propósito dos visuais e do áudio; eles devem se complementar, não competir .

Você não quer que seu narrador descreva o que seu aluno vê na cena. Em vez disso, o narrador deve fornecer contexto ou informações adicionais que não podem ser vistos no momento.

Antes de iniciar o script de seu vídeo de eLearning, você quer ter certeza de que entendeu os seguintes elementos da história. Aqui estão algumas dicas do CEO de Vyond e contador de histórias astuto, Gary Lipkowitz:

  • Ambiente: onde sua história deve acontecer? Em casa? No canil? No aeroporto? Onde está a magnitude ou urgência do ponto de dor em seu ponto mais alto?
  • Personagens: quem deve contar a história? O mocinho? O cara mau? A vítima? Alguma combinação das opções acima?
  • Estilo narrativo: os personagens devem falar uns com os outros como se estivessem em um programa de TV? Isso aprimora a narração de histórias em vídeo de eLearning, mas geralmente é mais lento. Deve haver um narrador falando sobre os personagens de uma visão de cima? Isso permite que você seja mais eficiente e preciso, mas geralmente às custas da identificação com os personagens.
  • Estrutura: você deve começar do início? Isso é o mais simples. Ou você deve começar pelo final, mostrando o resultado bom (ou ruim) e rastreando de volta ao início? Essas mudanças focam no “como” e se distanciam do resultado.
  • Metáfora: às vezes, as metáforas podem ajudar a dar vida a conceitos difíceis. As metáforas nos ajudam a compreender novos conceitos, associando-os a conceitos que já conhecemos. Um garotinho usando um balde furado para trazer água de um poço pode ilustrar um controle de custos inadequado ou um processo defeituoso.

Contação de histórias e avaliações em vídeo de eLearning: é possível?

Um instrutor online deve sempre avaliar o conhecimento de seus alunos. Testes e questionários garantem que os alunos aprenderam o que deveriam . Mas alguém pode usar a narração de histórias no e-Learning para avaliar o desempenho de seus alunos?

Perguntamos a Erin. Esta é a resposta dela:

Totalmente!

No final do dia, todos os objetivos que você definiu – antes mesmo de começar a planejar seu roteiro ou construir seu visual – devem ser as âncoras de sua história.

Ao avaliar o que um aluno aprendeu com o curso, você pode fazer perguntas específicas à história , mas diretamente relacionadas aos objetivos. Isso ajudará o aluno a solidificar a compreensão. Você pode fazer isso com questões de múltipla escolha após o término do curso, concentrando-se em eventos específicos que ocorreram durante a reprodução do vídeo.

Fonte: TalentLMS

EnglishPortuguêsEspañol
Open chat